(71) 4009-6671 comunicacao@asasalvador.org.br

Rede Adolescente acontece na ASA

É preciso trilhar caminhos para superar o ódio e a intolerância religiosa.
Este foi o tema de hoje (09/04) abordado na Rede Adolescente, promovido pelos diversos centros comunitários, acompanhados pela ASA, através da
Pastoral do Menor,que foi representada pelas articuladoras Inéria Florinda, Vanessa dos Santos e Jéssica Soares.


Vinícius Lima e Viviane Aragão apresentam relatos de intolerância religiosa, racismo, e ataques de ódio

A assessoria do encontro foi realizada pelos educadores da
 Associação das Comunidades Paroquiais de Mata Escura e Calabetão (ACOPAMEC), Vinícius Lima e Viviane Aragão, com a mediação da psicóloga da instituição, Nevidalva dos Santos.
Para eles e demais participantes, 25 pessoas, ainda há muito o que fazer para combater questões de intolerância religiosa. ” A intolerância é marcada pela falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar diferenças ou crenças religiosas das pessoas”, disse Nevidalva.


A psicóloga Nevidalva dos Santos fala que não é possível aceitar e se calar diante de uma cultura de ódio e desrespeito

Durante a apresentação foram citadas estatísticas crescentes de ataques contra terreiros de matrizes africanas, revelando ainda que a intolerância religiosa vem crescendo no Brasil, desde 2015, com registros de denúncias desse tipo, a cada 15 horas. Outro fato citado e que aconteceu recentemente, em janeiro deste ano, em Salvador, foi o ataque à Pedra de Xangô. Lugar considerado sagrado pelo povo de santo e que teve o espaço depredado com mais de 100 kg de sal.

A educadora social da ACOPAMEC, Sheila dos Anjos, relatou sobre uma situação de intolerância e preconceito junto a um grupo de crianças. “Ele cantava um cântico de candomblé, uma música comum em seu meio, mas, foi severamente rejeitado por outras crianças. Esse tipo de reação não pode acontecer, é preciso respeitar” disse.

Atenção dos educadores durante a reunião

Complementando o tema dialogou-se ainda sobre o racismo e sobre as cotas para negros, uma conquista com vistas a garantir um processo de inclusão.
A reunião da rede adolescente acontece sempre na ASA e a do mês de maio já tem data agendada, será dia 14. O tema a ser abordado é depressão e ansiedade.

Leave a Reply