Projeto Consola-te escuta famílias de vítimas da violência

“Bem aventurados os que choram, pois serão consolados”( Mt 5,4)

Reunião das equipes

O que mais as pessoas desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranqüila. Escuta é algo precioso na missão pastoral, e a ASA comprometida com a sua causa de ir ao encontro dos mais fragilizados, há um ano e meio implementou o projeto Consola-te, um ” programa de escuta” que consiste em ouvir o desabafo das pessoas em um dos seus momentos difíceis,isso é,  o conviver com a dor da perda de entes queridos. O projeto tem como objetivo maior ajudar esses irmãos a se sentirem consolados, experimentando a certeza de que Deus está presente em suas vidas através de pessoas que se aproximam delas.

Dinâmica do projeto

Sob a coordenação de Ir. Dilma dos Santos Barbosa e articuladores da ASA, a equipe se reúne mensalmente, para acompanhamento e partilha. Todos os voluntários são indicados pelo pároco que desejarem oferecer o “serviço” de escuta em sua paróquia. Desde o início do projeto, em 2016, 6 paróquias já aderiram a esta proposta: São Cosme e São Damião, na Liberdade, Nossa Senhora de Lourdes, no  Garcia, São Francisco de Assis, Boca do Rio, Nossa Senhora de Guadalupe, Alto do Peru, Nossa Senhora das Dores, no Lobato e Santo Antônio das Malvinas em Fazenda Coutos. O diálogo com outras paróquias são permanentes já tendo previstas mais cinco paróquias para o ano corrente.

As atividades desenvolvidas pelo Consola-te são: Formação de voluntários, visitas às paróquias, escuta e acompanhamento às famílias das vítimas de violência, encontros mensais para acompanhamento das equipes de voluntários e reuniões da equipe diocesana. Para as equipes é muito importante que todos tenham clareza sobre o projeto e a abrangência que ele pretende alcançar, pois o mais importante são as pessoas. “O “serviço” de escuta não é terapia nem confissão. Permite que a pessoa, ao ser escutada sem julgamentos, livre-se de uma carga emocional que a oprime e passe a ver com mais clareza o momento em que se encontra. Com isso, ela tem melhores condições de conviver com a sua realidade da perda, de dor, mas sobretudo, tendo a capacidade por si mesma de recomeçar o caminho”, reafirmam.

Para implantar este serviço na paróquia, é necessário que o padre identifique pelo menos três pessoas, que desejem ser voluntárias, e que estas tenham o perfil para a escuta, além de discrição e muito cuidado com o outro. As pessoas interessadas passam por uma formação de três etapas.

Quer saber mais informações sobre o Projeto Consola-te? Entre em contato através do telefone (71) 4009-6671.

Leave a Reply