(71) 4009-6671 comunicacao@asasalvador.org.br

17ª edição do Fórum Inter-Religioso de Saúde Salvador

Em sua 17ª edição, o Fórum Inter-Religioso de Saúde Salvador aconteceu no dia 04 de junho, das 8h às 17h30, no Auditório do Centro de Pastoral, Cúria Metropolina de Salvador. O principal objetivo do evento é discutir a atual política de saúde e contribuir para uma visão ampliada sobre a questão da saúde. Além disso, contemplar as reivindicações dos usuários e profissionais dos serviços públicos de saúde de Salvador, junto aos poderes públicos e, dessa forma, buscar soluções que assegurem a dignidade humana e o compromisso com a vida.

Realizado pela Ação Social Arquidiocesana, através da pastoral da Saúde e o coletivo, Igreja Batista Nazaré e Igreja Evangélica Antióquia, tivemos como tema central: ” Políticas Públicas de Saúde e Resistência” e lema: ” Pelo direito de Saúde para todos”.

Na abertura do evento contamos com uma benção inter-religiosa com representantes de diversas entidades religiosas, entre elas: Igreja Batista de Nazaré, Pastor Djalma Torres, Católica, Padre Lázaro Muniz, Movimento Espírita da Bahia, Susane Suzy, Matriz africana, Yalorixá Cristiane do Amor Divino, Umbanda, Raimundo de Xangô e UNISOES, Ernesto Cardoso.  

Os (as) representantes enfatizaram sobre a importância de o fórum existir há 17 anos, trazendo para o debate temas tão relevantes para o nosso país, como o deste ano, que traz a discussão sobre o direito de saúde para todos e todas.

Discorreram sobre questões de intolerância religiosa refletindo sobre os impactos do racismo e da intolerância religiosa na saúde, em especial da população negra e do povo de santo. “ Temos um Deus único, um Deus do amor e que, não é de nenhuma religião nem de um único povo, mas de todos, e é em nome dessa união e respeito que é preciso se amar mais”, resumiram os representantes ao final da benção inter-religiosa.


“ Temos um Deus único, um Deus do amor, é preciso se amar mais”, disseram os representantes das diversas entidades religiosas

Para Thiago Correia, coordenador da equipe de Articulação da ASA, o fórum é um evento importante, necessário e que conta sempre com rede de parceiros do social e de entidades religiosa. “Todo ano trazemos à tona questões que afligem o nosso povo, cada vez mais vulnerável aos desmontes e retrocessos que estamos vivendo. É devastador o que está acontecendo com o Sistema único de Saúde (SUS), um desmonte aos nossos olhos. Precisamos garantir a vida, é um direito. E essa vida precisa ser no mínimo com dignidade”, conclui.

“Precisamos garantir a vida, especialmente, dos mais fragilizados”, afirma Thiago

Dra. Dalva de Andrade Monteiro, coordenadora de Educação Cristã da Igreja Batista de Nazaré, uma das fundadoras do fórum inter-religioso juntamente com padre André Setuin, revela como é bom perceber o quanto cada um, cada uma, presente no evento, entende o seu compromisso com a justiça e as bem-aventuranças proclamadas por Jesus. “Não podemos abrir mão e se calar. É preciso garantir a prevenção e promoção da saúde com integralidade do cuidado, à cidadã e cidadão, também garantir o acesso e atenção integral de qualidade dos serviços. É cuidado com a vida”, revela.

Em seguida aconteceu a segunda mesa que trouxe discussões sobre “Políticas Públicas e Controle Social”. Fez parte a conselheira e assistente social, Vera Lucia de Jesus, que ressaltou a importância e dimensão do Sistema Único de Saúde – SUS, como sendo o melhor e maior plano de saúde. Também participou da mesa, Padre Jorge Brito, paróquia Nossa Senhora Auxiliadora e coordenador da Pastoral da Saúde e Fabio Ferreira, Presidente do Conselho Municipal de Saúde.

“Precisamos ter a atitude e a coragem de Jesus em relação a todas as pessoas atingidas por doença, miséria e constante violência”, reforça padre Jorge.

Para Fábio, é essencial iniciativas e debates como o do fórum e, sobretudo, ter a igreja na atuação de voz das comunidades. “É através das pastorais sociais que as pessoas das diversas comunidades devem abraçar e se integrar aos conselhos e a partir daí conhecer, cobrar e assegurar direitos. A ASA está de parabéns por ser essa voz”, diz.

A tarde foi realizada uma audiência pública com discussões democráticas e participativas da plenária, com o objetivo principal de melhorar a saúde pública no estado e município.

Fez parte da mesa representantes da gestão pública: Fábio Ferreira de Jesus, Presidente do Conselho Municipal de Saúde, Marcos Antônio Sampaio, Conselheiro Estadual de Saúde, Luiz Carlos Sampaio, Defensor Público/DP, Maria Aladilce de Souza, Câmara de Vereadores/Vereadora, Marcus Vinicius Bonfim, Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (SESAB) e Bruno Viriato Santos, Distribuição de Medicamentos da Prefeitura.

Representantes da gestão pública atentos às demandas da plenária

Com participação ativa da plenária, as falas enfatizaram questões sobre falta de ações preventivas, problema com a regulação para vagas em hospitais, falta de medicamentos, precariedade dos atendimentos nas UPAS, casos de maus tratos de profissionais de saúde, importância da difusão das práticas integrativas, entre outras questões que demanda uma gestão mais cuidadosa, respeitosa e acolhedora a todos (as).

Participantes da plenária questionam a precaridade da saúde e o descaso com a vida do povo. “Falta medicamento, ações preventivas de saúde, dificuldade da regulação, entre outros”.

A vasta programação ainda contemplou um movimento de dança, conhecido como “dança de israel”, com a facilitadora Dulce Sampaio, UNISOES, apresentação de coral do Grupo Samarino, da Igreja Batista e visita a “sala verde”, espaço que contemplou iniciativas de preservação do meio ambiente e cuidado com a casa comum, a exemplo do novo projeto da ASA, o ReciclASA. Além disso plantas ornamentais e objetos produzidos com material reciclável, todos elaborados pelos atendidos do projeto Levanta-te e Anda e Comunidade da Trindade( população em situação de rua). Marcaram presença no evento, em média, 140 pessoas.

Visita a “sala verde” que contemplou uma ambientação chamando atenção para o cuidado com a casa comum.

Conhecida como “dança de israel” a facilitadora Dulce Sampaio, UNISOES, alegrou o evento contando com a participação do público presente.

Leave a Reply